RIO - O sabor caipira da roça em plena agitação da metrópole. É essa a proposta que a chef Marta Tubé, conhecida como Táta, levou ao seu restaurante, Da Casa da Táta, e ao palco do 5º Circuito Rio Show de Gastronomia, nesta quinta-feira, dia 2 de outubro.

A goiana Táta, que vive no Rio há 25 anos, apresentou três receitas que remetem à sua infância, passada em Goiás: galinhada goiana, pamonha salgada (veja a receita ) e bolo de fubá de arroz. (veja como fazer)

- Criei a Casa da Táta porque tinha saudade da casa do meu pai. Tudo que faço lá reflete essa saudade da casa, do interior, da comida da roça. Tudo feito lá tem essa coisa afetiva - contou a chef. - Na roça a comida tem cheiro de feijão fresco, de arroz fresco. Não tem preço isso. Arroz e feijão a gente faz no dia, na hora. Alimenta a gente, mas também dá aquele aconchego.
Galinhada Goiana

Táta disse que os pratos que levam arroz são muito comuns em Goiás.

- Lá no interior, em vez de ter um monte de pratinhos, às vezes a gente resolve com um pratão só, como na galinhada. É um prato muito simples. A gente faz a cebola bem torradinha, depois coloca o frango, depois o arroz. É um prato muito nutritivo. Mata a fome porque é rico em carboidrato. Mata a fome de peão, de quem trabalha pesado, trabalha na roça - disse a goiana.

O frango pode ser temperado de véspera, com cebola, alho, cheiro verde, sal e pimenta. A pele não deve ser retirada no preparo.

- A pele tem uma quantidade de gordura que dá sabor à carne. Usa a pele pra cozinhar e separa só na hora de comer, porque o sabor já vai estar ali. Não vai fazer mal nenhum - afirmou Táta.

A chef confidenciou que servir a comida aos convidados direto da panela também garante mais sabor ao prato.

- Eu sou muito roceira. Às vezes cozinho e levo as panelas direto pra mesa. E acho isso muito chique. Eu acho lindo quando a gente tira a panela do fogo e põe direto na mesa. Um espetáculo. E quem vai comer também gosta. É uma sensação maravilhosa. Não tem igual - confessou.

A chef avisa que a galinhada pode ser feita ao gosto do freguês, substituindo o ingrediente principal, o frango caipira, por outros, como abóbora ou carne seca.
(confira a receita)